Artigos

Compartilhe

Finanças e Contabilidade

Conheça seu "eu" financeiro

Hoje quero falar sobre a vida financeira das pessoas, muitas pessoas querem mudar em relação ao dinheiro, poupar mais, investir, mas não conseguem. Assim é preciso passar por um processo de conscientização sobre o tema, ou o que eu chamo de descoberta do seu “eu” financeiro.

É fundamental uma nova etapa na vida de quem quer mudar a relação com o dinheiro e isso deve ocorrer em vários níveis. O primeiro passo é anotar tudo e chegar aos números: quais são e quanto se gasta e qual o impacto que cada atitude de compra tem no orçamento mensal; em outras palavras, saber quais são os gastos que desequilibram sua balança.

No entanto, somente os números não bastam. Também é preciso averiguar os padrões de comportamento que estão por trás dos números: com o que se gasta e em quais momentos, ou em que dias da semana ou do mês se gasta mais ou menos.

Vivemos em uma sociedade totalmente consumista, em que a maioria dos hábitos de consumo se baseia em padrões sociais. A todo momento, somos bombardeados – crianças, jovens, adultos e até mesmo “jovens há mais tempo” – com mensagens de “Compre! Compre! Compre!”. Comprar faz parte.

Boa parte das mercadorias à nossa disposição são fundamentais para nossa saúde, bem-estar e qualidade de vida. Sugiro, porém, que se faça uma análise do seu comportamento de consumo e mude, desde já, os hábitos que não fazem bem para a saúde de suas finanças.

Ao registrar os gastos diariamente, é provável que se perceba uma série de compras absolutamente dispensáveis, que, no entanto, estão lá, inchando seu orçamento e consumindo seus rendimentos. Esse é um mal que a pessoa poderá atacar desde o primeiro momento em que decidir lidar melhor com seu dinheiro.

Em resumo: não compre coisas que seu dinheiro não pode comprar. Tal atitude apenas traz mais sensação de culpa, raiva, insegurança e, o que é pior, desequilíbrio financeiro. Por isso, toda vez que for comprar algo, procure observar o sentimento e a motivação por trás desse ato.

Responda com sinceridade se é preciso aquele bem, naquele momento, ou se essa compra poderia perfeitamente ser adiada. Acredite: ao adiar a compra por um ou dois dias, muitas vezes se percebe que não precisa, de fato, daquele item. Muitas vezes, grande parte das compras se dá por impulso.

Caso sinta-se emocionalmente vulnerável, para evitar as compras por impulso, minha sugestão é:

  • Resista ao impulso: deixe para o dia seguinte, pois, se esse item for realmente necessário, você retornará depois para comprá-lo.
  • Não compre nada que você não tenha certeza de que precisa e que realmente irá agregar algo à sua vida.
  • Se for possível, experimente o bem desejado para ter certeza de que ele lhe agrada.
  • Não leve dinheiro ou cartão de crédito ao sair de casa se não tem intenção de efetuar uma compra.
  • Se não possuir dinheiro suficiente para comprar o que deseja, evite comprar a prazo.
  • Verifique se esse gasto cabe em seu orçamento. Isso vale desde uma bijuteria até um automóvel. Não importa o preço.

Fazer uma reflexão sobre como essa moeda de troca chamada dinheiro interfere diretamente em nossos sentimentos é fazer uma terapia financeira que demanda, necessariamente, conhecimento e domínio sobre o próprio “eu” financeiro. Com isso, a pessoa será capaz de despertar a capacidade adormecida que tem para gerir com sucesso seus recursos e viver com prosperidade.

Artigo publicado originalmente no site do autor  

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site 
http://www.institutojetro.com/ e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com.